Brasil Destaque

Bolsonaro, militares, ex-assessores e até padre foram alvos da operação da PF nesta quinta (08)

Jair Bolsonaro, Filipe Martins e padre José Eduardo de Oliveira e Silva - Foto: montagem
A operação se baseia em um documento chamado "minuta do golpe", onde havia o passo a passo para dar um golpe de Estado após a eleição

A Operação Tempus Veritatis teve, como alvo, diversos militares que integraram o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro. Deflagrada nesta quinta-feira (08) pela Polícia Federal (PF), a operação investiga a existência de suposta organização criminosa que teria atuado numa tentativa de golpe de Estado após a eleição de 2022.

A operação se baseia em um documento chamado “minuta do golpe”, onde havia o passo a passo para dar um golpe de Estado no Brasil, além da prisão de juízes e políticos. O documento foi encontrado na casa de Anderson Torres, em novembro de 2023.

A operação cumpre 33 mandados de busca e apreensão, entre eles estão o ex-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) general Augusto Heleno Ribeiro Pereira, o ex-ministro da Casa Civil general Walter Souza Braga Netto e o ex-ministro da Defesa general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira. Quatro mandados de prisão preventiva, entre eles, Filipe Martins, ex-assessor que foi preso em Ponta Grossa, também foram cumpridos.

Além disso, 48 medidas cautelares que incluem a proibição de manter contato com outros investigados, a proibição de se ausentar do país, com entrega dos passaportes no prazo de 24 horas e a suspensão do exercício de funções públicas. Bolsonaro foi alvo destas medidas e teve de entregar seu passaporte a PF.

Até padre investigado

O padre da Igreja Católica José Eduardo de Oliveira e Silva, da Paróquia São Domingos, na cidade de Osasco, Região Metropolitana de São Paulo, foi alvo da Polícia Federal. O religioso é suspeito de integrar o núcleo jurídico que formatou decretos e minuta que serviriam para um golpe de estado no Brasil após as eleições presidenciais de 2022.

De acordo com a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), o padre é citado como integrante do núcleo jurídico do esquema golpista. O papel do grupo seria o “assessoramento e elaboração de minutas de decretos com fundamentação jurídica e doutrinária que atendessem aos interesses golpistas do grupo investigado”.

Os agentes da PF chegaram logo cedo pela manhã à residência do padre para uma ação de busca e apreensão de equipamentos e documentos do clérigo.  O grupo jurídico era integrado pelo padre de Osasco, pelo ex-ministro da Justiça na gestão Jair Bolsonaro, Anderson Torres, pelo coronel Mauro César Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente, e por Filipe Martins, ex-assessor especial de Bolsonaro e Amauri Feres Saad, advogado.

O documento indica ainda que o padre Oliveira e Silva participou de reunião com Filipe Martins e Amauri Feres Saad no dia 19 de novembro de 2022 em Brasília. Os controles de entrada e saída do Palácio do Planalto registraram a entrada e a saída do religioso da sede do governo federal naquela data.

Leia também: Prefeitura proíbe consumo e venda de bebida em garrafas de vidro no centro de PG no carnaval


    BNT Vídeos

    Quer receber as Newsletter BnT?

    Cadastre-se e receba, um email exclusivo com as principais noticias produzidas pela equipe do Portal Boca no Trombone