Campos Gerais

Polícia Penal promove atendimento psicológico aos detentos da Cadeia Pública de Castro

Foto: Polícia Penal
O atendimento psicológico regular visa não apenas melhorar a saúde mental dos internos, mas também reduzir incidentes de violência e facilitar a reintegração dos apenados à sociedade após o cumprimento de suas penas

A Cadeia Pública de Castro implementou um novo serviço de atendimento psicológico em uma iniciativa conjunta da Polícia Penal do Paraná (PPPR) com o Conselho da Comunidade local e a faculdade Unicesumar. Este serviço visa proporcionar suporte emocional e psicológico aos apenados, promovendo seu bem-estar e contribuindo para a reintegração social.

O projeto é conduzido pela psicóloga Flaviane Schiebelbein, juntamente a estagiária Bianca Aparecida da Silva Biassio. Juntas, elas atenderão os internos duas vezes por semana, às quartas e sextas-feiras. Os atendimentos serão realizados tanto de forma individual quanto em grupo, permitindo um acompanhamento mais personalizado e eficaz.

“Este projeto é um exemplo de como a integração de serviços de saúde mental no sistema prisional pode trazer melhorias significativas tanto para os internos quanto para a sociedade como um todo. Esperamos que esta parceria inspire outras unidades a adotarem práticas semelhantes”, destaca o diretor da regional administrativa da PPPR em Ponta Grossa, William Ribas.

O atendimento psicológico regular visa não apenas melhorar a saúde mental dos internos, mas também reduzir incidentes de violência e facilitar a reintegração dos apenados à sociedade após o cumprimento de suas penas. “O bem-estar psicológico dos privados de liberdade é uma prioridade para nós. Este projeto não apenas auxilia na recuperação emocional destas pessoas, mas também contribui para um ambiente mais seguro e humano dentro da unidade”, afirma Elerson de Lima, gestor da Cadeia Pública de Castro. “Estamos comprometidos em continuar buscando parcerias que tragam benefícios significativos para nossa população carcerária”, complementa.

“A introdução deste serviço é um passo significativo para o apoio psicológico dos custodiados, oferecendo um espaço seguro para que possam expressar seus sentimentos e trabalhar suas questões emocionais”, destaca a psicóloga Flaviane Schiebelbein.

Bianca Aparecida da Silva Biassio ressalta a importância da experiência prática para sua formação. “Este trabalho oferece uma oportunidade única de aplicar os conhecimentos adquiridos na universidade e fazer a diferença na vida das pessoas. Estou entusiasmada em contribuir para este projeto e aprender com cada atendimento”, afirma.

Os atendimentos acontecerão nas dependências da própria unidade prisional, em espaços adequados para garantir a privacidade e o conforto dos internos durante as sessões. Esta iniciativa reflete um compromisso com a humanização do sistema prisional e a promoção de uma saúde mental digna para todos os envolvidos.

Leia também: Homem morto em bairro de PG já havia sido esfaqueado pela mesma mulher


BNT Vídeos

Quer receber as Newsletter BnT?

Cadastre-se e receba, um email exclusivo com as principais noticias produzidas pela equipe do Portal Boca no Trombone