Ponta Grossa

Curso de Química Tecnológica da UEPG tem alta empregabilidade

UEPG
Com um total de 192 formados nessas mais de duas décadas de existência, o êxito se explica na estrutura e no planejamento didático-pedagógico para os alunos

Em sintonia com o meio ambiente, indústrias e ciência. É assim que o curso de Bacharelado em Química Tecnológica da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) comemora seus 21 anos de existência. Em 2024, os professores têm algo a mais para comemorar: todos os alunos que pegaram o diploma estão trabalhando na área que estudaram. E o histórico de sucesso com os formandos é de longa data.

O egresso Dhésmon Lima, formado em 2013, também realizou o mestrado e doutorado em Química pela UEPG, e a longa trajetória lhe trouxe frutos: atualmente, ele está no Departamento de Química da University of Manitoba (Winnipeg, Canada), onde atua como pesquisador na área de Bioeletroquímica e desenvolve projetos relacionados à detecção de quimiorresistência em células tumorais e detecção de micotoxinas em amostras de grãos.

“Costumo dizer que os anos de graduação na UEPG estão entre os mais memoráveis da minha vida. Colecionamos boas memórias e muito aprendizado”, conta.

A universidade ainda rendeu frutos na vida pessoal. Dhésmon está no Canadá juntamente com com sua colega de curso e esposa, Ana Carolina Mendes Hacke. A egressa desenvolve projetos de pesquisa na área de Química de Produtos Naturais, em parceria com indústrias do Canadá, e também carrega o legado da instituição. Mesmo em outro país, a UEPG permanece no coração de ambos.

“O dia a dia com nossos amigos, naquela rotina pesada de aulas, os almoços no RU, aquele nervosismo pré-provas, enfim, são todos momentos que lembraremos para sempre com muita saudade e carinho”, conta Ana. A área de pesquisa da egressa é sobre carotenoides raros com propriedades antioxidantes, são produzidos e isolados a partir de diferentes microorganismos.

Recentemente, Dhésmon recebeu uma oferta de trabalho para ser professor e pesquisador na Mount Saint Vincent University, na cidade de Halifax, e iniciará as atividades em julho. “Temos a plena certeza de que a base que o curso de Química Tecnológica nos deu foi a melhor que poderíamos imaginar. A forma como o curso é estruturado, a carga horária em cada disciplina, as aulas experimentais, e o incentivo à pesquisa fizeram a diferença para estarmos onde estamos hoje”.

A experiência profissional no Canadá só confirmou que o ensino na UEPG não fica aquém das instituições de ensino América do Norte. “Em vários aspectos, inclusive, achamos o ensino brasileiro na graduação melhor e mais bem estruturado. Além de tudo, nos orgulhamos em falar que no Brasil o ensino universitário é gratuito e de qualidade. Ter cursado o Bacharelado em Química Tecnológica na UEPG realmente fez a diferença em nossas vidas”, completa Dhésmon.

EMPREGOS – Com um total de 192 formados nessas mais de duas décadas de existência, o êxito se explica na estrutura e no planejamento didático-pedagógico para os alunos. O mercado de trabalho para um bacharel em química tecnológica é amplo. As oportunidades vão desde pesquisa e inovação até indústrias e áreas de gestão ambiental, ciência forense, petroquímica, química fina, alimentos, fertilizantes, cosméticos, biocombustíveis, água e efluentes, entre outros.

Suellen Aparecida Alves, coordenadora do Bacharelado em Química Tecnológica, explica que os profissionais formados podem realizar 15 das 16 atribuições de um químico. As atuações podem ser desde supervisão, responsabilidade técnica, pesquisa e desenvolvimento, estudo de viabilidade técnico-econômica, até pesquisa e desenvolvimento de processos industriais e controle de operações e processos.

“A formação de um profissional preocupado com as questões ambientais é evidente, por isso o curso tem disciplinas de gestão ambiental e resíduos sólidos industriais, além de aproveitamento de conhecimentos na área ambiental”, ressalta.

Durante a graduação, os alunos já terão contato com projetos que preparam para o mercado de trabalho, como o estágio obrigatório, além de pesquisas sobre química de compostos bioativos e biomoléculas, química analítica e ambiental e química de materiais. Ainda há projetos de extensão ligados ao meio ambiente, tecnologia, produção, química verde e sustentabilidade – em 2023, o projeto de química verde recebeu um prêmio internacional, oferecido pela instituição Beyond Benign, no valor de US$ 5 mil.

Eventos também não faltam. O Simpósio de Graduação e Pós-Graduação em Química (SimpoQuim) está na sua 13º edição e é o principal encontro do Departamento de Química, com integração dos graduandos e pós-graduandos.


BNT Vídeos

Quer receber as Newsletter BnT?

Cadastre-se e receba, um email exclusivo com as principais noticias produzidas pela equipe do Portal Boca no Trombone